Como fazemos

Início do conteúdo
Apresentação

O Observatório de Clima e Saúde realiza um inventário de dados ambientais, climáticos, socioeconômicos e de saúde disponibilizados por variadas fontes para contribuir com a compreensão da relação entre os processos de mudanças ambientais e climáticas globais e seus efeitos na saúde. Esses dados dizem respeito a aspectos das mais diversas localidades do território brasileiro e provêm de bases de dados de instituições como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), além de diversas outras instituições governamentais e de ensino e pesquisa.


Para integrar esse variado conjunto de dados gerados pelas instituições participantes, o projeto conta com a competência da Tecnologia da Informação (TI), juntamente com pesquisas que visam fornecer projeções de cenários futuros acerca das mudanças climáticas e ambientais e seus efeitos na saúde. Para nortear os mecanismos de busca de dados são criados e utilizados modelos que visam correlacionar os processos climáticos e os eventos de saúde, ajudando no processo de busca e análise das informações. No campo da tecnologia, são criadas ferramentas que permitem a visualização dos dados sobre mapas digitais, além da associação entre variáveis de diferentes bancos de dados.

Um dos principais objetivos da nossa metodologia é produzir instrumentos que apontem tendências, tanto ambientais quanto no setor de saúde, que alertem gestores e previnam o desenvolvimento de doenças. Algumas das principais formas de se atingir esse objetivo são as análises de dados coletados ao longo de extensos períodos (séries temporais), a seleção de áreas que são constantemente avaliadas e servem de parâmetro para outras localidades - os sítios sentinela ou áreas de vigilância -, além do uso do geoprocessamento.

Conheça também os eixos prioritários do projeto (temas); os indicadores; e os mapas, gráficos e tabelas, que ajudam a promover a dimensão participativa do Observatório.